sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Alegria compartilhada & despedida de 2012

Oi meus leitores lindos! Tudo bem? Que saudade daqui. Meu pc voltou mas minha net ta ruim agora (a coisa ta preta pro meu lado, rs). Então resolvi montar um post com look, novidades, despedida de fim de ano, tudo juntinho. Vamos lá? Ah, não reparem a ''baguncinha''.

 Nesse mês de dezembro comprei algumas coisas e ganhei algumas, não tirei foto de tudo pois sempre esqueço :(, mas um dos presentes que mais fiquei apaixonada, foi essa blusa de caveira da Oh,boy!. Meu namorado me deu de presente de aniversário, não vejo a hora de usá-la! linda <3

 Acessórios novos também entraram pro meu guarda roupa nesse mês. Esse arco de spikes foi amor a primeira vista (quem quiser, achei na Renner) esse cola e esses brincos são da Dress To para C&A (consegui achar peças ainda, tipo chocada)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Eu duvido


Eu duvido. Duvido que você não chame meu nome quando você sente falta de alguém, duvido que não sinta falta do meu carinho sempre tão sincero, falta de me contar como foi seu dia, as histórias da sua vida que sempre foram pra mim melhor do que qualquer novela. Duvido que você não me procure nas biscates que você pega por aí, sempre tão vazias. Vazias igual a sua liberdade idiota que nunca te serviu pra porra nenhuma. Talvez esse seja o nosso problema, eu sou completa demais pra sua vidinha mais ou menos. Eu sinto, eu penso, eu falo, eu te conheço, isso te assusta né? “Tô invadindo seu espaço? Desculpa.” Essa fui eu, durante todo esse tempo, me desculpando por que mesmo? Me diminui pra você ficar maior, pra você não me perceber entrando na sua vida. Se você pudesse sentir o quanto isso dói você quem iria se desculpar. Eu queria ligar pra você, e te falar sem pausas tudo que eu ensaio toda vez que você me magoa, mas nunca digo pra não te magoar, afinal você não me faz mal por mal, e talvez esse seja o pior mal que se possa fazer a alguém, tão natural. Bobagem, como se algum ensaio no mundo fosse me deixar firme depois do seu ‘alô’. Então é isso, tô te escrevendo. Sempre fui mais segura com as palavras. Tô te escrevendo pra talvez um dia te enviar, mas to escrevendo. E não é sobre você dessa vez, é sobre mim. Sobre o quanto eu sou boa, igual a mim tá difícil meu bem. Sobre como eu não preciso usar cinco centímetros de saia e um decote no umbigo pra ser mulher; Sobre como, ainda assim, só eu sei fazer de você um homem. Sobre muitas coisas, mas principalmente, sobre quantos homens eu poderia estar saindo nesse exato minuto. Não é com você, é comigo sabe? Por exemplo, EU te idealizo nesse momento como o melhor, não que você seja. Acho legal você brincar com a sorte, mas se eu fosse você não teria tanta certeza da minha posse assim. Talvez ninguém tenha te avisado ainda, então desculpa se eu vou te dar essa notícia sem te preparar antes, mas a porra do mundo não gira em torno do seu umbigo. Ficou chocado? Acontece. Só queria te dá um conselho, em nome da nossa amizade e meu carinho por você, tira uma mão da liberdade e segura um terço. Fica assim, agarrado nas duas coisas sabe? E reza, reza muito pra não aparecer ninguém que mexa comigo enquanto você fica brincando de não saber o que quer. Porque eu sou amor, e ainda que não seja o seu, essa é a minha essência. E você não deve acreditar muito nessa ideia, pelas tantas vezes que eu quase fui, mas um dia eu vou, sempre foi assim. Mas deixa eu te contar um segredo: se eu for, eu não volto.


sábado, 15 de dezembro de 2012

Sol


Neste exato segundo em que o planeta terra passeia pelo sistema solar, há uma infinidade de vidas que se iniciam e outra infinidade que chega ao fim. É natural. Talvez chegue um dia em que morrer será a exceção e o mundo atingirá sua lotação. Para isso existe a ciência, a medicina: evitar que a vida chegue ao fim. Viver alcança seu valor máximo. Tanta gente aprendendo a sorrir com conquistas, mas a maioria ensaiando o futuro. Não é o que eu quero. Quero mesmo é o presente. Cansei de me preparar para um dia que pode não chegar. Existe vida no agora? Se houver, eu vou encontrar.

Eu tenho essa urgência de viver, essa pressa de qualquer coisa que ultrapasse a inércia. É isso que me faz jogar dados ao acaso e me atirar de carros em movimento, é por isso que ando longe de viadutos. Meu suicídio diário não é uma forma de morrer. É uma tentativa desesperada de encontrar essa vida, testar minha capacidade de quase ir e voltar, descobrir se eu mereço estar aqui e se existe mesmo um deus. Afinal, ele concorda ou não com a minha maneira de encarar as coisas? Por que não me castiga por ser tão estupidamente desapegada? É minha necessidade de viver que me mata.

Tenho a impressão de ter atingido o auge da minha maturidade, mas não tenho espaço físico ou moral pra existir nessa condição. Estou pronta pra largar tudo pra trás todos os dias, mas algo finca meus pés no chão sem eviso prévio. É preciso ser coerente pra ser aceito, mas como não me contradizer tentando achar um equilíbrio? Como não ser um pouco louca nesse mundo tão absurdo?

Não adianta me oferecer o discurso de faculdade-emprego-família como verdade absoluta. A gente não aprende a viver sentado numa carteira de colégio. Não é a fórmula de Pitágoras ou a definição de pronome oblíquo que vai fazer com que eu seja mais ou menos inteligente. Saber organizar informações burocráticas em série e ser programado roboticamente não faz de ninguém um ser humano repleto. Isso tudo só rende uma possível colocação relevante numa prova de vestibular, um êxtase momentâneo. A vida se aprende nas perdas. É perdendo a liberdade que a gente descobre que não se encaixa, é perdendo alguém que a gente descobre que não vale a pena lutar por futilidades, é perdendo o apoio que a gente descobre que o resto do mundo não para só porque nosso mundo parou. A gente vai aprendendo a viver assim, na marra, no grito, no sufoco, no impulso. Eu quis mudar o mundo, quis ser brilhante, quis ser reconhecida. Hoje eu quero bem pouco e prefiro me concentrar no agora do que planejar um futuro incerto. Eu me libertei da culpa e dei de cara com algo novo: não me encaixo, e aceito. Não é justo perder as asas no momento em que se descobre tê-las. É preciso poder voar, é preciso ter uma visão estratégica das janelas. Ver o sol e não poder tê-lo é absurdo.

Então eu deixo algumas coisas passarem incompletas porque tenho consciência de que certas palavras ainda não têm tradução. Por mais que eu grite, vai ter quem não entenda, não aceite. O que eu não aceito é ter nascido num mundo tão grande e conhecer só uma pequena parte. Vou voar. Quem conseguir compreender, que me acompanhe.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Inspiração para meninos


 Olá meus leitores lindos!!!ô saudade!!Peço desculpas(de novo..), fim de semestre, correria de fim de ano, to ficando doidinha. Hoje eu parei para pensar, e vi que não postava mais inspirações masculinas tinha um tempo. Então separei para os meninos lindos, uns looks maravilhosos para eles. Vamos lá?

Gostaram?Peguei looks para todas as estações e todos possíveis gostos!!
Bjks da Carla!!!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O que aprendemos com as amigas das séries

Acho que aprendi muito com amizades que são deliciosas de assistir, porque você leva um pouco daquela leveza pra sua vida. Com algumas você fica desejando ser amiga daquelas pessoas. Tem também as que nos lembram dos nossos amigos de verdade, os defeitos, manias e as situações que já passamos com eles. É por isso que acho que uma boa amizade em muitos casos segura uma série mais ou menos (até porque, nada segura uma série ruim de verdade).
É claro, cada amigo ou amiga tem um papel na nossa vida, ao mesmo tempo ou em momentos diferentes…


Acho que não dá para falar de amiga pra todas as horas sem elas! Carrie, Miranda, Samantha e Charlotte são o símbolo da amiga-companheira, que não te abandona nas horas difíceis. Apesar disso, elas são boas mesmo é no party hard: bons drink enquanto comenta os bofes. #quemnunca

De um jeito ou de outro, os amigos são uma parte importante da nossa vida real. Gosto muito de um epi natalino de Grey’s em que a Meredith diz que os amigos são a nossa família. Porque a família em que você nasce é simplesmente um ponto de partida. Eles te alimentam, te vestem e cuidam de você até que esteja pronto para cair no mundo e encontrar a sua tribo.



Pra mim, a relação mais especial da “tribo” da Mer é com o Alex. Embora a série foque na amizade entre ela e a Cristina, é com ele que Meredith tem os momentos mais fofos. Ter um amigo homem é muito especial, ele tem um insight único sobre a nossa vida, as experiências e os nossos rolos. Amo o episódio da 5ª temporada em que o Derek diz para ela que quer ter um filho e ela surtando vai conversar com o Alex. E ele diz: quer que eu bata nele ou você quer ter os bebês dele? Super apoio sem mimimi.

Mas nem tudo é amor e compreensão na vida. Amiga também te dá dor de cabeça, amiga tem os desejos dela e às vezes eles se sobrepõem aos seus. Nem por isso estar ao lado delas é menos incrível ou menos divertido. Afinal, quem não curte fortes emoções?



É isso que acontece com Serena & Blair em Gossip Girl. Elas sabem que o negócio é superar as dificuldades. Juntas. (Fora que imagina só dar uma passeadinha no closet quando a amiga é Queen B…)

Tem amigos que você entra e sai da casa deles o tempo todo, têm um passado cheio de rolos, namoros, confusões e o que importa é que passaram tudo isso junto. É pra eles que você pode contar o segredo mais absurdo porque não vão te julgar: vocês se conhecem bem demais.



Esse é o rolo super fofo de Friends. Todo mundo já pegou todo mundo, todo mundo se ama e se detesta às vezes (quem lembra da Phoebe ficando brava com o Ross só porque teve um sonho com ele?), mas todo mundo enfrenta tudo junto. A quantidade de lembranças que uma turma assim acumula dá pra encher qualquer álbum! Como diria Janice… OH MY GOD!



E então, quais lembram seus amigos? E quais você queria ter pra chamar de BFF? Conta!

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Frente a frente

Caras leitoras
Estou aqui pra pedir desculpas por ter estado tão ausente mas eu precisava de um tempo pra colocar as coisas da vida em dia, pros estudos e pra toda a correria de decisão que toma conta no ultimo ano do ensino médio. Entretanto estou voltando e queria compartilhar algo com vocês, leitoras queridas, que sempre estiveram ai lendo e acompanhando tudo o que se passava em nossas vidas (especialmente na minha que sempre escrevo como espelho do que acontece comigo) 
Enfim, o que quero dizer é que não tem sido fácil, nunca foi e nunca será, quero dizer que quando se trata de um sonho nada é tão urgente quanto realizá-lo, que nada é suficientemente bom a ponto de torná-lo real. A caminhada rumo ao futuro apresenta vários e imensos desafios, incríveis paisagens e descobertas mas também inúmeros ventos contrários e surpresas desagradáveis. 
Muitas de vocês devem saber o que estou falando e entender porém não de fato. Só se compreende quando a gente passa por cada uma dessas situações. Ninguém gosta do fracasso, ninguém ta preparado pra cair, ninguém espera ser levado pela correnteza por um caminho totalmente oposto do que seguia. Há coisas na vida, muitas coisas, que a gente entende mas não compreende, mas não esta preparado pra lidar. 
Naqueles dias que em que tudo dá errado parece que o mundo se virou contra nós, em um desses dias liguei a tv e a primeira frase que escuto foi a seguinte: "Muita gente trabalha duro pelos seus sonhos mas realizá-los não é pra todo mundo" isso foi o fim. Contudo, quando esses dias passam e a cabeça esta mais tranqüila e leve a gente vê que as coisas não sao realmente assim. 
Sonhos ficam no fim de um caminho estreito e tortuoso, é preciso habilidade e coragem pra chegar até eles, isso nem todo mundo tem porém todo mundo pode desenvolver, o importante é continuar caminhando. 
Não sei se consegui transmitir o que eu queria pra vocês e por isso a foto a seguir vai resumir a moral da história. Leiam com carinho o que esta escrito porque a frase foi fundamental pra mim e espero que possa ajudar a vocês também. 




terça-feira, 27 de novembro de 2012

Look



Olá lindezas!!tudo bem?Hoje vou mostrar para vocês dois looks bem diferentes que usei esse final de semana, ah...meu computador voltou, postagens novas estão chegando!!iei!!Mas vamos ao que interessa, vamos lá?
 Esse look usei para fazer compras no shopping. Escolhi algo mais arrumadinho e ''sério''. Então nada como uma boa camisa branca nessas horas né, so coloquei meu short fofo da Maria Filó para c&a e uma sapatilha dourada.
Aqui dá para ver melhor. Eu até gosto de looks arrumadinhos, porém combina muito mais comigo, aqueles bem largadinhos e doidos, eu até tento kkk. Nessa foto to com o sapato diferente, tive que trocar com a minha irmã kk, chatiada.

 Minha primeira calça colorida foi a azul caneta. Quando vi a vermelha(aliás, já estava namorando há séculos essa calça) fiquei apaixonada. Fiquei indecisa, pois é uma peça bem ''complicadinha'' de usar. Vermelho é uma cor ''dificil'' de usar,sem ficar perua ou capenga. Nesse caso pensei na camisa jeans na hora!!e como sou largadinha, coloquei meu vans preto e fim. Calça e bolsa são da c&a. Tênis é da Vans e a camisa jeans é da Checklist.
Já disse que sou doida de amor pelo tênis da Vans né?Eu e meu chatinho na foto.


Bom, é isso.
Bjks

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Estilo & Referência - Looks pra Semana

Selecionamos cinco looks para você se inspirar pra semana. Qual o seu preferido?! Conta pra gente!



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...